Sepse: A doença que mais mata no mundo! Como se proteger?

Nos últimos anos, a sepse foi registrada como a maior causa de mortes entre individuos internados em hospitais espalhados por todo o globo terrestre. Os dados epidemiológicos mostraram que o número de casos da doença poderá ultrapassar 1 bilhão até 2020.


A sepse, também conhecida como “infecção generalizada” é considerada uma síndrome metabólica gerada pela resposta inflamatória natural do organismo após contato com microrganismos como vírus, fundos ou bactérias. Porém, o sistema imunológico age de forma intensa, provocando uma resposta infamatória exagerada aos agentes infecciosos, a expressão exagerada de fatores inflamatórios torna o organismo tóxico, alterando funções fisiológicas básicas para manutenção da vida, podendo levar o paciente a disfunção múltipla de órgãos em poucas horas após o desenvolvimento da síndrome.


A sepse é uma doença altamente incapacitante, provoca distúrbios neurológicos graves, lesiona órgãos e gera quadros infecciosos graves recorrentes em quem já teve a doença. O diagnóstico é baseado na avaliação de disfunções orgânicas cardiorrespiratórios e neurológicos, exames laboratoriais confirmam e identificam o nível da disfunção, enquanto exames microbiológicos apontam o agente causador.


As maiores vítimas são pessoas que possuem doenças preexistes como Diabetes, doenças renais, cardíacas, consequentemente a junção desses problemas, levam os idosos a serem os mais atingidos, porém, qualquer pessoa que possua esses fatores de risco correm o risco de permanecerem internados, a internação tem grande relação com os casos de sepse que atinge em média 80% dos pacientes nessas condições.


Com base nas doenças preexistes, é importante lembrar que a má alimentação e a falta de exercício físico são as principais causas de doenças do coração, inicialmente através do aumento do colesterol, triglicérides até a geração de placa aterosclerótica, o diabete tipo 2 sob influência de fatores genéticos também pode ser desenvolvido paralelamente ou consequentemente pelo mesmo mecanismo das doenças do coração, assim como os problemas renais.


A combinação da tendência mundial ao desenvolvimento de doenças por maus hábitos juntamente com o fenômeno de envelhecimento mundial e a realidade que a sepse apresenta hoje, são considerados uma ameaça tão grande a saúde púbica e a economia dos países, que congressos internacionais buscam soluções para minimizar futuros impactos tendenciais.

Autor: Viviane Silva